sábado, 15 de agosto de 2015

(BEDA) Aquele das muitas histórias para contar 15/31

Uma das coisas que eu mais quero na vida é me reunir no futuro em algum canto confortável da minha futura confortável casa e poder contar para meus filhos (e depois netos) algumas das minhas histórias enquanto jovem. 
Eu não sou uma pessoa de muitos causos, mas acredito que algumas das minhas histórias sejam boas.

Obviamente meus filhos vão nascer sabendo quem nós somos e muito provavelmente sempre que eu falar de nós eles irão revirar os olhos de um jeito que apenas adolescentes conseguem e soltarão um "aff, mãe, de novo a Máfia?" Sim, de novo.

Vou contar, por exemplo, de como ganhei o apelido Plâncton.

Vou contar que foi no meu primeiro encontrão, em Curitiba. 
Nós vimos Procurando Nemo naquele encontrão. 
Naquele encontrão eu tinha visto as notícias porque eu precisava me informar. 
Na última noite daquele encontrão falávamos juntas as falas de Procurando Nemo que sabíamos de cor, e Couth ainda não tinha meu número salvo no celular dela. Quando ela estava escrevendo meu nome, acidentalmente escreveu Sandro Plâncton. Pronto. Eis que surjo. Sandro Plâncton, aquele que informa.

Representada pelo Plâncton do Bob Esponja (?)

E aquele dia em que perdemos as malas? Vou contar diversas vezes.

E sobre as muitas vezes que as pessoas nos questionaram, em aeroportos da vida, qual era a nossa história, porque não conseguiam entender tanta euforia, tanto abraço, grito, óculos jogados no chão e carrinho com mala jogados contra o vidro.

E também aquela vez da cilada das bicicletas pelo Rio enquanto três de nós já estavam na beira da praia há horas.

Ou aquela vez que encontramos nosso amigo Djavan casualmente no aeroporto e que rindo foi uma das melhores maneiras de dizer tchau.

Também vou contar sobre a nossa caminhada até o Arpoador com caipirinhas na mão e como chegamos lá a tempo de presenciar o pôr do sol mais incrível de todos, como rimos, cantamos, nos abraçamos e pela milésima vez chocamos as pessoas ao redor com o nosso amor.

E aquela vez que alugamos um apartamento que era inteiro nosso, só para fazer um Chá de Pinto, que tinha até canudos temáticos, e de como ficamos acordadas até de manhã depois da nossa primeira balada oficial.

Meu deus, vou contar tantas vezes a história do casamento...

Eu não conheço nossas futuras histórias, mas sei que elas serão tão boas quanto essas que já temos para contar. 
Porque vai ter amor.
Porque vai ter A Gente.



6 comentários:

  1. "Eu não conheço nossas futuras histórias, mas sei que elas serão tão boas quanto essas que já temos para contar.
    Porque vai ter amor.
    Porque vai ter A Gente."

    Acho que você já disse tudo. Pra mim, só resta torcer pra que essas histórias cheguem logo e que eu esteja em todas, de preferência. Te amo MUITO <3

    ResponderExcluir
  2. Se tiver A Gente, pode ter certeza que tem alguma história maravilhosa. Se ícones como Sandro Plâncton surgem numa singela sessão de Procurando Nemo em casa, no fim do dia, o que será que o futuro nos reserva? As crianças que aguentem. Pobres a-gentinhos!
    te amo! <3

    ResponderExcluir
  3. Se vocês já chocam com o amor com as palavras ditas por aqui, imagina presencialmente? !

    Tenho certeza que serão histórias maravilhosas, como essas tantas que já tiveram.

    Beijo noces!

    ResponderExcluir
  4. que coisa linda Gabs <3
    Ficava me perguntando mesmo porque te chamavam de Plancton haha, amo esses "bugs" que dão em ótimas histórias!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Suas lindas. ♥ Vocês são queridas demais, não me canso de ler os textos e dar curtidas nas fotos de você. E eu também tinha curiosidade do porquê te chamam de Plancton, que nem a Alê. Hahahahah.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Pior parte de estar muito atrasada nos mimos do BEDA (mentira, melhor) todo dia dou de cara com um post desses novo e choro de novo. Nós temos muitas histórias maravilhosas e únicas e vamos ter muito mais. Todos os dias eu me impressiono de novo com o quanto a Gente é incrível e fico de novo com vontade de fazer um post super ultra bicha sobre isso, e vou fazer me aguarde.

    Amei você representada pelo Plâncton do Bob Esponja porque, por algum motivo, é essa a imagem mental que eu tinha no começo sempre que a gente falava em Sandro Plâncton (agora a imagem mental é você).

    Te amo muito <3

    ResponderExcluir