quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

A culpa é do cartão de crédito.

Recentemente comecei a perceber o verdadeiro valor do dinheiro.
Até começar a trabalhar eu comprava minhas coisas com o cartão de crédito da minha mãe. E não tenho vergonha de dizer isso, pois eu não trabalhava por motivos maiores [como estudar para o vestibular e não passar]. 
Vai fazer um ano que estou na labuta diária e agora posso dizer que pago pelas minhas coisas...
Quer dizer, quase isso:  Cometi o erro de ter um cartão de crédito no meu nome. E agora estou endividada. Uma história tão comum quanto o fato de eu ser baixa. 
Devia ter ouvido os conselhos de minha mãe e de meu namorado quando eles disseram que era cilada - ela por experiência própria e ele por me conhecer bem. Não dei ouvidos, virei as costas e parti para o maravilhoso mundo sem volta das compras desenfreadas. 
Em um ano foram vários pares de sapatos [lindos, por sinal], roupas, muitos livros que estão fazendo uma pilha não muito sutil no meu armário, e comida! Não engordei por nada, sabe? 

Só que as coisas saíram do meu controle. Na verdade eu não tinha controle nenhum. Muito menos responsabilidade. E nem preocupação com o futuro próximo. Eu fui uma total desmiolada. Agora meu salário de professora estagiária não está dando conta de quase nada. E após uma viagem de 10 dias para Porto de Galinhas, estou falida. E com uma dívida no cartão. 

Então agora estou dando mais valor para o dinheiro, tanto é que hoje meu pai me deu R$1,00 para eu comprar um Halls [para ele e não para mim], mas a bala era R$1,50, então em vez de gastar esse R$1,00 em qualquer outra besteira, eu o roubei guardei no meu cofrinho vermelho com gatinhos brancos. 

Acho que estou amadurecendo.

7 comentários:

  1. Sei bem o que é se individar. Mas não no cartão de crédito e sim, no cheque especial. Juros altíssimos que, desconfio, seja cobrado juro sobre juro e não juro sobre o valor devido. Enfim, eu tava quase no meu limite do cheque especiale não sabia mais o que fazer, pois os juros aumentavam cada vez mais. Comecei a me apertar com a comida, comendo no lugar mais barato que tinha, não gastando mais nada no cartão de crédito, usando apenas o necessário pra eu conseguir viver. Em dois meses paguei minha dívida. Hoje sou livre! hahahaha
    A gente demora, mas acaba aprendendo a viver com o que tem, e não com o dinheiro dos outros. Que CC e cheque especial, nada mais são do que dinheiro dos outros.

    Beijos e juízo! haha

    ResponderExcluir
  2. Se ter um cofrinho por conta própria não é amadurecer, então eu não sei o que é.

    Beijos, hahaha!

    ResponderExcluir
  3. Ai, você sabe que eu peco pelo oposto? Aqui em casa eu sou chamada de "Filha Patinhas", porque me associam ao rabugento tio patinhas que não gostava nem de gastar os torrões de açúcar. Estou aprendendo a me dar mais presentes e abrir mais a mão. Acho que temos muito que aprender uma com a outra... rs

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Uruu!! Parabéns, mt bom
    http://www.jj-jovemjornalista.com/

    ResponderExcluir
  5. Se ter um cofrinho por conta própria não é amadurecer, então eu não sei o que é. (2)

    Tinha milhões de comentários a tecer, mas Diva Couth fez isso por mim.

    A gente sente isso de amadurecer com tanta força! Ás vezes acho que tá muito cedo, às vezes acho que passou da hora. Sei lá. Crescer é complicado...


    Beijo, amiga!

    ResponderExcluir
  6. Quando comecei a receber "salário" (nem salário é, tenho uma bolsa) meu pai recomendou que eu não usasse cartão de crédito, e eu segui o conselho. Estou feliz por ter seguido.

    Mas acho que, no fim, é aquela coisa: a gente aprende a valorizar mais as coisas quando as perdemos. Olha, não sei se isso serve pra tudo na vida. Mas pro dinheiro: perfeito.

    ResponderExcluir
  7. Eu sempre fui muito consciente com meu dinheiro, desde criança, desde bem pequena. Minha mãe diz que é pão-durisse mesmo.
    Eu ainda dependo dos meus pais porque, bem, faço faculdade das 8 às 18h e mal me sobra tempo para estudar. Trabalhar está fora de cogitação. Desde que vim fazer faculdade fora, me viro com o dinheiro que meu pai me dá e uso o cartão de crédito quando preciso. Eventualmente, o cartão me foge do controle ou eu acabo a semana com menos dinheiro na carteira do que deveria. Mas isso têm me ensinado muito e acho que estou cada dia mais controlada.
    Uma coisa que me ajuda muito é um app pra Android que chama Finanças Pessoais. Anoto todos os meus gastos nele. :)

    ResponderExcluir