quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Desculpa, quem sabe um dia.

Quando eu era criança gostava de inventar histórias. Só para mim. Brincava sozinha no quarto e lá eu criava minhas próprias fantasias.

Não sei quando foi exatamente, mas em algum momento da minha infância as pessoas começaram a dizer que eu seria escritora e ponto final. Eu não lembro de passar minha infância escrevendo. Eu lia. Muito.
Mas não lembro de escrever, papel e caneta, sabe?

Então por que me falavam isso? Depois que eu criei meu primeiro blog, mais pessoas vieram me dizer isso. E quem acha que eu estou querendo me gabar ou algo do tipo está muito errado. Eu não acho que dizer a alguém que ela devia ser escritora é um elogio. Dizer para alguém que "tu vai ser escritora", estraga tudo. Acho que foi por isso que não desenvolvi muito bem. Sempre tem aquela pressão dos infernos para escrever algo bom. 
Semestre passado eu escrevi um pequeno livro na cadeira de Português I na faculdade, e foi um trabalho enorme, muita pressão, sempre buscando a tal perfeição e esperando ouvir coisas boas de quem lia. E gente, o livro não tem nem 60 páginas.

Eu já falei para muitas pessoas que elas deveriam ser escritoras, mas hei, elas tinham talento. O que eu digo é sincero, e só digo isso para quem eu acho que pode, e de quem eu compraria um livro.

Eu vejo por aí tanta gente boa. Sabe assim, boa mesmo? Meus amores da Máfia não me deixam mentir. Elas são boas, gente. E com certeza eu leria todos os livros escritos por elas, sem tirar os olhos.

Talvez seja uma extrema insegurança, talvez seja a vontade cada vez mais escassa de escrever coisas interessantes, mas eu não me acho a altura de um livro. Lógico que eu adoraria escrever um e ver meu nome numa livraria (quem nunca?), mas eu tenho consciência das coisas.

Esse blog é meu espaço na internet. Onde eu coloco tudo que eu quero, mas nada é muito profundo, nada é muito sério, nada é muito "um livro", me entendem?

Então acho que me resta pedir desculpa para todos aqueles que um dia disseram ou ainda dizem que eu vou ser escritora. 

Acho que meu negócio é ensinar. E só.


18 comentários:

  1. Comigo foi uma história até que parecida, mas todos falando que eu seria uma ótima psicóloga!
    Sempre vem esses estereótipos que atrapalham nossa vida e muito...! Mas o que nos resta nem é pedir desculpas e sim fazer nosso melhor naquilo que nós escolhemos!
    Beijos, Gab!

    ResponderExcluir
  2. Às vezes eu passo por isso também, sabe, sendo que eu escrevo por puro entretenimento e sem pretensão alguma de ser encarada com alguma seriedade.

    Recentemente tive uma crise de curso cruel e só o que eu ouvia de conselho era:

    - Faça Letras ou Jornalismo, você escreve bem.

    E isso me deixou confusa, mas acredito que a coisa não daria muito certo porque eu não levo a minha escrita muito à sério. E aquela coisa de querer escrever uma coisa excelente para não desapontar os outros já aconteceu, mas não rolou...Afinal, escrever, pra valer, é um dom, né?!

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  3. Acho um pouco cedo pra dizer "e só"...
    Acho que um livro não precisa ser uma obra prima da litetatura (sempre)... uma brastemp, sabe? Muuuuitos contos teus que eu li caberiam tranquilamente em um belo livro, de capa dura, com vinco, lombada, tudo mais, e (pq não) ilustrado (por mim, lógico).
    Mas como disse ainda é cedo... a inspiração pode vir do nada, num dia desses qualquer.... E um dia (quem sabe)ainda vou ler um best seller teu! Ai que otimista! E se não for, se não der, se não quiser, me contento com teus contos narrados que são uma alegria sem fim! =D

    ResponderExcluir
  4. Por enquanto pode não ser nada "um livro"... mas um dia tu pode tá no meio de uma aula e PAH...um estalo, ideias surgem. :D Tenho certeza que essa inspiração vai chegar.

    E por falar em livros, preciso ler o teu livro né?!
    Tem que me emprestar ele. *-*


    ResponderExcluir
  5. Eu sempre soube que tenho talentos dentro de casa, talentos para ser mãe, talento para ser filho, filha até talento para ser bicho, e é por isso mesmo que eu curto muito (quando eu posso) ler e entender tudo o que tu escreves, que normalmente vem simples e fácil para a tela do tu blog. A gente quando criança pede que os adultos nuca obstruam essa espontaneidade de sonhar e eu acredito que tanto eu quanto tua mãe nunca fizemos isto, pra nenhum de vocês três; então é mais um motivo de orgulho, daqueles que doem de tão bom, poder tê-los por perto, minha escritora, assim como minha criadora, o meu pensador e ativista, além da mestre que nos acolhe sempre com seu imenso amor. Amo vocês e tenho sempre os melhores pensamentos, mesmo quando não parece!! Beijootro!

    ResponderExcluir
  6. Olha, Gabi, isso é o que você sente agora, né? Pode ser que mude de ideia e daqui a pouco, vai querer escrever um livro. Como também pode ser que continue pensando assim para sempre, não importa. A gente tem que fazer o que tem vontade, sem pressões, sem sociedade, só por nós mesmos, pela gente.
    Mudando de planos ou não, você é uma fofa, Gabi, eu sei que vai sempre dar o seu melhor, seja escrevendo, seja ensinando...

    :*

    ResponderExcluir
  7. Eu acho que tu pode tudo o que tu quiser, Gabi. E, acredite em mim, eu realmente só visito (e comento) em blogs que realmente acho que tenham algo a me acrescentar, que seja leitura original e agradável. O fato de um blog não ser sério, não tira o valor dele. Você não precisa ser escritora se não quiser, mas, se quiser, eu acho que deveria dizer "obrigada, vou ser escritora sim." para todas as pessoas que dizem que é boa. Assim como tu só dá elogios a quem merece, acredito na sinceridade de quem te elogia, e acho que você também deveria. :-)

    ResponderExcluir
  8. Me dizem ainda o mesmo, desde que comecei a publicar o que sinto. Não sei dizer se essa é uma definição equivocada, mas fato é que ainda não me sinto pronta para assumir as responsabilidades de uma escritora de verdade.
    Acho que gostar de escrever e desabafar, por ora, nos basta. Deve bastar.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Não sei se posso dar a minha opinião, acabei de conhecer seu blog, mas que li você tem sim um talento imenso com as palavras, sabe, constrói textos que prender o leitor e nos deixa com vontade de ler mais e mais e mais e mais.
    Pelo que vi se escrevesse um livro eu o compraria, porque talento você tem;

    ResponderExcluir
  10. Sobre ser escritora, ainda bem que nunca esperaram muito de mim hehehehhe a única coisa que já ouvi foi meu stepfather perguntando se eu quero mesmo construir carreira na área da saúde depois que ele olhou umas fotos que tirei. Mas fotografia é apenas um hobbie e hey, não sou tão boa assim. Penso igual a ti, existem outras pessoas que se dariam melhor que eu nessa profissão. Mas adoro teu blog, tua escrita é leve e é disso que gosto heh.

    ResponderExcluir
  11. Linda você elogiando a gente, amiga! Também não sei bem quando comecei a escrever, assim, propriamente dito. Muita gente me diz pra escrever um livro também e, apesar de não me achar uma, sei lá, Meg Cabot da vida, eu adoraria conseguir publicar um livro. Tem uma coisa linda com meu nomezinho na capa... Ai ai! <3

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ter*

      adoro usar o celular pra escrever, rsrsrs

      Excluir
  12. Eu escrevia quando era criança e sempre dizia que seria escritora, mas agora abortei a ideia. Não tenho capacidade NENHUMA pra produzir uma história! Se eu escrever algum livro será teórico, com certeza absoluta! Gosto é de escrever peripécias do cotidiano no meu blog e só. Fazer um conto, por exemplo, é algo que me deixa cheia de preocupação e medo. Pois é.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  13. Gab, sorry, eu acho que você escreve muito e tem talento sim HAHAHA Mas você deve fazer o que tem confiança para fazer. Se escrever aqui no blog já é suficiente pra você, então, ok, estamos aqui para apreciar. Mas imagino um livro com o nome do seu blog hehehe

    ResponderExcluir