quinta-feira, 26 de julho de 2012

Quem sabe.

Sabe, eu sempre achei bonito o ballet.
Alguém da minha família tinha um livro cheio de fotos de dançarinas lindas, com suas sapatilhas surradas, rodopiando, em belíssimas apresentações.
Aquilo me fascinava.

Eu sempre fui medrosa. Não tenho muita coragem para enfrentar o novo e desconhecido, por isso quando minha mãe me perguntou se eu queria fazer ballet, prontamente respondi que não. Eu tinha sei lá, 4 anos, morria de medo até de ir no banheiro sozinha.
E aí eu cresci, ou melhor, fiquei mais velha. Esqueci o ballet. Continuava achando lindo, claro, mas nada mais que isso.

Há um tempo comecei a pensar em fazer algo que me tirasse do sedentarismo. Odeio academia, caminhada não é comigo...mas eu gosto de dançar! Ó, eis que surge algo. Mas é tudo tão caro que dá vontade de chorar. Queria fazer jazz, dança de salão, street dance....tudo ao mesmo tempo, mas né, meu salário de professora estagiária não permite. 
Deixei um pouco pra lá essa ideia. Afinal, o que tem de errado em ser gorda? (Essa é uma pergunta a se pensar)

Mas sabe o que aconteceu? Minhas séries estão em recesso e só voltam em setembro.
"O que isso tem a ver, Gabriela?"
Séries em recesso e eu doente por causa disso só pode acabar em um coisa: mais séries na minha lista.
Agora vejo 22.
E a mais nova [e um das mais queridas] é a série Bunheads. Dançarina fracassada, vai parar numa cidadezinha pequena onde existe um pequeno estúdio de ballet. Opa, nada demais até aí. 
Acontece que essa série tomou meu coraçãozinho no primeiro episódio e agora eu já vi todos e estou esperando ansiosamente pelo próximo.
E esse amor todo me trouxe de volta uma admiração, que pode se tornar amor, pelo ballet.
Gente, como eu queria.
Queria mesmo ter o corpo de uma bailarina (acho lindo), queria ter dinheiro e principalmente coragem. Coragem para me matricular e começar as aulas. Porque eu sei que mesmo não tendo o corpo perfeito para tal dança, eu ainda posso me divertir, né? (Coisas que a série ensina, by the way)

Não sei, é só uma pequena ideia que vem se formando na minha cabeça... E se eu começar a dançar? E se eu gostar? Já pensou eu bem pequena com a minha sapatilha, me apresentando, todos me aplaudindo e jogando rosas? Tá, parei.

Será que a oferta da minha mãe de anos atrás ainda está de pé?



6 comentários:

  1. ai Gab, eu tb queria tanto ter feito balé! Mas minha mãe nunca me ofereceu!
    Tb tenho vontade de me matricular, mas fico pensando que nessa idade é difícil aprender, se adaptar com as rotinas de bailarina... O dinheiro também pesa muito..!!
    Sou mais ou menos como vc tb, não gosto de academias e aqui em ribeirão fazer caminhada no calor é suicídio... eu tinha achado caminho no circo, mas por falta de tempo/dinheiro/disposição parei... Tentei engrenar no yoga e nada... Espero que eu ache um novo hobbie corporal que faça bem pra alma!
    Beijosssssss

    ResponderExcluir
  2. Eu sou apaixonada por fotos relacionadas a Ballet! Mas não sou boa na dança, e sempre gostei de coisas mais agitadas! Agora, não passe vontade, Gab! Nunca é tarde!!! Espero que você faça! <3

    ResponderExcluir
  3. Também não sou muito corajosa e já tive vontade de fazer tanta coisa: volêi, dança, aulas de violão, desenho, entre tantas outras coisas. E o dinheiro é um fator que pesa demais, mas acho que falta de coragem também é um ponto forte.

    Quanto as séries, tu assiste 22!??!?!?! O__O
    E eu achando que as minhas 8 são muito kkkkkk. Parece legal essa que tu falou.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Quando criança eu tinha o desejo secreto de ser bailarina, mas nunca pedi aos meus pais para fazer aula. Cresci e percebi que eu só deveria admirar mesmo hahaha Tá todo mundo falando dessa série e sei que preciso assistir um dia, pois amo séries e filmes com dança!

    ResponderExcluir
  5. Acho lindo ser dançarina, mas é difícil que só! Meu sonho é dança do ventre, um dia quem sabe... E você bailarina seria lindo! Vale economizar! Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Eu sempre achei ballet bonito, mas não tive, por algumas circunstâncias da vida, a possibilidade de fazer quando criança. Ainda assim, aos 21 anos, comecei há dois meses a fazer balé, com a cara, coragem e uns quilinhos a mais (preciso perdê-los já!). Geralmente termino a aula toda dolorida e sei que nunca vou dançar profissionalmente, mas estou feliz.
    O que quero dizer é: se você gosta ou admira, nunca é tarde.
    Aterrizei de cabeça no seu blog e gostei muito, parabéns!

    ResponderExcluir