quarta-feira, 11 de abril de 2012

Escrevendo, eu falo.

Lembro de não ter paciência para inventar histórias no papel. Pra mim aquilo era muito “nada a ver”, eu achava muito mais legal ler essas histórias, mas não escreve-las.

Certo dia, quando criança ainda, briguei com a minha mãe por algum motivo besta, certamente alguma coisa eu tinha aprontado, mas nem lembro mais. Eu fiquei muito triste com a briga e de repente surgiu uma imensa necessidade de contar pra alguém sobre o que eu estava sentindo. Não tendo ninguém por perto, eu inventei que as folhas do meu caderno eram meus melhores amigos, só que elas eram surdas, não ouviriam se eu falasse, só se eu escrevesse. E desde então eu converso com os papéis. Escrevo o que sinto.

Preenchi cadernos, tive diários e hoje tenho um documento no computador onde boto tudo que penso. Pra mim é uma grande forma de libertação a escrita. Poder “falar” de qualquer coisa sem ser julgada, sem ouvir opiniões. Ser “ouvida”.

Costumo dizer que escrever é minha terapia. Quando preciso desabafar, eu escrevo, quando estou feliz eu escrevo e quando estou com medo, idem. Uma vez meu namorado me perguntou o que eu levaria para uma ilha deserta e eu disse sem pensar: “Folhas e uma caneta”. Ele ficou um tanto ofendido, mas essa é a verdade. Morreria se não pudesse escrever sobre as coisas que passam na minha cabeça.

Por tudo isso, me identifico muito com essa frase do Caio Fernando: “Escrevendo eu falo pra caralho, não é?”. Palavrões a parte, é exatamente isso.

Escrevendo, eu falo.

13 comentários:

  1. "Escrevendo eu falo pra caralho", não conhecia, mas absurdamente verdadeiro. O legal de escrever é que, com o passar do tempo, acaba se tornando uma coisa automática. Você só vai continuando, e nem lembra mais o que te levou a começar a escrever e não tem mais nada a ver com a primeira frase.
    Achei lindo, Gabs. :)

    ResponderExcluir
  2. Acho que esse teu post vai ser absurdamente unânime entre os blogueiros, hein? HAHAHA.
    E eu sou apaixonada por essa frase do Caio. E eu, que já falo pra caralho quando FALO, imagina escrevendo! Não é a toa que meus posts são enormes. Não sou prolixa. Nem um pouco. E já desisti de tentar ser. HAHAHA
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  3. Acho que já comentei no vídeo de apresentação da máfia que eu também nem sempre gostei de escrever, mas não tenho certeza. Pelo que me lembro, comecei aleatoriamente, simplesmente surgiu uma vontade de escrever e assim eu comecei, e nunca mais parei. Mas uma coisa é fato: nada é tão bom pra desabafar quanto escrever. É como arrumar uma gaveta, você coloca tudo em ordem e as coisas ganham uma nova dimensão, e o que não presta, você joga fora.

    Beijos, Gab.

    ResponderExcluir
  4. Que lindo seu texto, Gab!
    Penso assim também, embora não esteja escrevendo com tanta assiduidade! Escrever é uma válvula de escape mesmo...!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  5. Sempre gostei dessa frase do Caio justamente por expressar algo que eu gosto, pois escrever também sempre foi terapêutico pra mim. Isso é bom.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Amei o texto também, Gabi! Eu sou absurdamente chegada na escrita. Pra tudo nessa vida. Sempre fui dessas que guardam diários e mais diários cheios de coisas e, na maioria das vezes, nem são coisas realmente importantes. Me sinto mais à vontade escrevendo do que, por exemplo, "desabafando" com alguém. Bom demais, né?

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Acho que todo blogueiro tem um pouco disso, de extravazar o que sente escrevendo. Foi esse o motivo que me levou a fazer um blog. Com o passar dos anos, fui sentindo que tudo era muito pessoal e parei de escrever no blog a esses respeitos. Mas ainda dou minhas desabafadas.

    ResponderExcluir
  8. sim sim sim sim sim sim sim!!! Sou do tipo que escreve tudo no papel.. até os posts do blog são escritos primeiro à mão para depois serem digitados (mais trabalho, gasta mais papel, mais caneta e desperdiço tempo, mas é a vida). É tão bom sentar e simplesmente escrever, escrever sobre o dia, os problemas, as euforias... é puro amor ♥_♥

    ResponderExcluir
  9. Olá, eu comecei assim também, escrevendo simplesmente escrevendo tudo em um papel, eu tinha um caderno todo rabiscado e quando eu vou arrumar minhas coisas sempre paro para olhar ele e fico toda boba com as besteiras que eu escrevia ou escrevo, mas me fazem tão bem..

    a proposito, achei seu blog no 'Minha vida como ela é'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha vida como ela é! :) Um dos meus blogs preferidos. Amo a dona dele. <3

      Excluir
  10. Eu amo essa frase do Caio também. Porque a quantidade nem é a questão, né? "Escrevendo eu falo pra caralho". Ou seja, quando eu escrevo, falo TANTO de mim mesma, mesmo em poucas palavras. E a única coisa que eu confio de olhos fechados: na minha escrita. O resto me parece efêmero, descartável... mas o que eu escrevo, se eterniza em mim.

    Beijo, minha Gabs linda <3

    ResponderExcluir
  11. Ótimo post! Pra mim começou numa loja de bugingangas (?) quando eu e minha prima compramos diários iguais. Passamos a escrever para depois contarmos as novidades uma para a outra já que vivíamos em cidades diferentes. Ela deve ter parado, mas eu continuei por bastante tempo até que canalizei minhas palavras pro blog e pro jornalismo hehe

    ResponderExcluir
  12. Onde clicar pra te seguir Gabi?! Nao achei!
    Lindo teu cantinho..vem conhecer o meu!
    www.janabentinho.blogspot.com

    Jana!

    ResponderExcluir