sexta-feira, 23 de março de 2012

Peixe Grande e suas Histórias Maravilhosas.

Um dos meus filmes preferidos.
Aprendi que eu posso ter uma vida "normal", encontrar algumas pessoas por aí e não ser nada excepcional, mas tudo depende de como eu acho que minha vida é e de como eu conto as minhas histórias.
A partir disso, minha vida pode ser fantástica, fabulosa, mágica.
Depende de como eu vejo.

8 comentários:

  1. Exatamente! É esse o espírito da coisa. Esse filme é fabuloso, genial! Um dos meus preferidos também!

    ResponderExcluir
  2. Eu vi esse filme fora de hora e não gostei. Assim como li Dom Casmurro fora de hora e não gostei, e tá aí duas obras com as quais eu preciso consertar meu relacionamento, HAHAHA.
    Desse filme, guardo a angústia de afirmar que eu nunca gostaria de saber quando eu iria morrer. Poderia me arriscar muito mais, sabendo que não seria tal situação que me mataria, mas com certeza viveria com um contador regressivo ligado. E isso me deixaria maluca!
    Beijos, flor!

    ResponderExcluir
  3. Siiiiiiiiiim!
    Nunca vi o filme, mas interessante como ele te passou essa msg!
    Beijosssss

    ResponderExcluir
  4. O único filme do Tim Burton que eu gosto <3

    beijos

    ResponderExcluir
  5. Soltei um gritinho abafado quando li o título! Eu AMO AMO AMO esse filme com todo o meu coração. É um dos meus favoritos também, e só não assito mais vezes porque choro muito XD sério, choro feito bezerro desmamado. Dá até um pouquinho de depressão pós-filme.

    ResponderExcluir
  6. Amo, amo, amo - imitando a Del - muito! É um dos meus filmes favoritos da vida, chorei feito um bebê nas cenas finais. Queria muito comprar o DVD, mas nunca achei por aqui. Acho incrível a mensagem, a direção, a FOTOGRAFIA! E concordo contigo, a vida depende muito de como a gente olha pra ela. Por isso que a minha sempre tem cor de céu, por mais que às vezes seja um céu meio nublado.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Eu AMO esse filme! É com certeza um dos meus favoritos!
    A gente ve tanta gente reclamdno da vida, trocando as lentes reais pelas lentes da tristeza, do pessimismo. Por que não trocar então pelas lentes da apreciação, do otimismo, da beleza... né? Esse filme é muito sensível.

    ResponderExcluir